Numa sociedade mais informada e opinativa, a crise ficou-se pelas carteiras ou apoderou-se dos gostos? Três especialistas discutem a questão.

Leia o artigo aqui.